domingo, 15 de fevereiro de 2009

Tecnologia, Meus Pais e Matheus

É engraçado ver com as coisas evoluíram, como estão diferentes de quando eu era criança; hoje as crianças brincam com vídeo games com CDs e DVDs, até joystickers, ops, controles sem fio, jogam jogos de computador, fazem pesquisas na internet, digitam trabalhos... Tivemos um videogame, um atari, se não me engano (jogávamos super Mário, corrida de carros...) e era com cartuchos (eram grandes), meus trabalhos da escola eram feitos a mão, lá pela 6ª série é que comecei a fazer trabalho na máquina de escrever do trabalho de Mainha, e nem eram todos os trabalhos (só os que os professores exigiam que fosse digitado), já que, a máquina não era nossa, computador só tivemos em 99, se não estou enganada, jogava War, Imagem e Ação, Banco Imobiliário, brincava de Passa Anel, Telefone Sem Fio, Elástico, Bambolê, Barra Bandeira, brincava na rua até de noite de Futebol, Vôlei, Esconde-Esconde, Pega-Pega... Claro que as crianças e adolescentes ainda jogam estes jogos e brincam das mesmas brincadeiras, mas com menos frenquencia, pois preferem os videogames, filmes (de lutas, na sua maioria), sem falar que brincam presas às grades dos condomínios, sem a liberdade que tínhamos quando eu era criança e adolescente, a tecnologia também ajudou no aumento da violência...

Matheus tem 5 anos e desde os 3 anos e meio +- tem contato com o computador, pois comprei uns livrinhos de história que vieram com cd room (na minha época quando acompanhava áudio era fita cassete) com as historinhas e músicas das historinhas e alguns até jogos tem (quebra-cabeça, jogo dos erros); hoje, ele mesmo liga o PC, coloca e tira dos CDs e DVDs, coloca o filme para começar (play), coloca pra parar quando quer ir ao banheiro ou beber água, passa uma cena que não gosta, volta para uma que gosta... Também usa o computador para ver desenhos (como ele chama) de animais, filminhos que assiste... E é ele mesmo que faz a busca no Google, soletro a palavra e ele digita, quando tem dúvida em uma letra escrevo no papel ou digo que está perto da letra tal, claro que faz tudo isso com minha supervisão, ele sabe que se mexer no PC sem eu, Mainha ou o pai dele por perto fica de castigo...
Quando tinha a idade dele nem sonhava que poderia existir computador, nem vídeo game, brincava de dançar na frente da TV imitando as chacretes (até maiô eu vestia) e as paquitas (se bem que acho que as paquitas eu á tinha uns 7), brincava de cantar com Mainha no gravador (dia desses encontrei uma fita cassete), jogava bola, andava de bicicleta, pulava corda, amarelinha, brincava de desenhar, até amiga imaginaria eu tinha e fazia pic nic com ela. Matheus brinca dessas coisas, mas acho que ele passa mais tempo na frente da TV que eu...


Em 2007, meu pai teve que renovar a carteira de motorista e a prova (não sei por que ele teve que fazer, pois é motorista há mais de 40 anos, sem multas ou acidentes) era eletrônica, então ele se aperriou, nunca tinha usado um computador, aí, eu entrei na net e baixei uma prova pra ele:
- Pai, vem cá!
E ele veio com a apostila do DETRAN, ficou tão ansioso e nervoso que ‘devorou’ a apostila.
- Que foi?
- Senta aqui, quero te mostrar uma coisa! Este é o site do DETRAN, tem um monte de coisa, tem informações sobre o carro, IPVA, multa... E tem a prova simulada que o senhor vai fazer pra poder treinar, quer tentar?
- Não, agora não. Ainda tenho que estudar mais, depois digo quando.
- Tá bom...
Uns dias depois ele perguntou se ainda tinha como fazer a prova, então ‘apresente’ o PC a ele (mouse, monitor, teclado), abri a prova e falei que era só ler e marcar a resposta que ele achava que estava certa, e depois era só rolar a tela pra cima e mostrei a bodinha no meio do mouse.
- Pai, isso é o mouse, o senhor coloca pra um lado e pro outro, pra frente e pra trás e esta setinha se mexe, pra marcar a resposta é só apertar (de vagar) neste botão com o indicador, entendeu?
- Sim.
- Tá, qualquer coisa é só me perguntar.
Um tempinho depois...
- Filha, como faço aqui?
Olhei e disse:
- É só colocar o mouse pra cima.
- Assim? Não ta fazendo nada...
Hunf... Quando olhei, ele estava com o mouse levantado e perto da tela. Sorri sem deixar que ele ver e disse:
- Não pai, coloca na mesa. Desculpa não explique direito. Quando falo pra colocar pra cima é só mexer o mouse pra frente e a setinha anda, olha.
Peguei na mão dele e mostrei. E ele fez uma cara sem graça...
Depois disso pediu pra fazer a prova mais umas duas vezes, até que chegou o dia da prova. Então, foi a minha vez de ficar ansiosa querendo saber como ele tinha se saído. No fim das contas deu tudo certo, ele disse que terminou um pouco antes do tempo e teve que esperar e que só errou uma questão...
Ele continua sem usar o computador, mas às vezes pede algumas coisas, uma vez pediu pra imprimir um documento da prefeitura, outra vez ele pensou que tinha levado uma multa e perguntou se tinha como ver. Acho que a única máquina que ele se dá bem é o carro...
Já com Mainha foi diferente, mais pratico e rápido, ela teve contato com o computador desde que compramos o nosso primeiro (98 -99), na verdade acho que um pouco antes disso, no trabalho quando resolveram modernizar o processo (até colocaram os funcionários pra fazer um curso), mas o uso ficava restrito às coisas de trabalho, e em casa quando tinha alguma coisa interessante e eu mostrava ou pra pegar alguma receita ou jogar Paciência e FreeCell, é que ela é meio ‘formiga’, ou seja, faz sempre o mesmo caminho, no caso do uso do PC é que ela sente dificuldade devido a versão dos programas do trabalho ser diferente da de casa, mas aos poucos ela está se acostumando, até fiz um e-mail pra ela (só tinha o do trabalho) e ela quase todos os dias acessa, me manda e-mail e também salvei alguns e-mails de meus tios e primos. Acho legal quando a vejo minimizar um jogo e acessar a net...


Ótima Semana a Todos!!!
Beijinhos

6 comentários:

Jens disse...

Oi Cecília.
Nos anos 60 Marshall McLuhan, um teórico da comunicação, profetizou que, num futuro próximo, o mundo se tornaria uma aldeia global, em razão das facilidades de comunicação geradas pelo desenvolvimento acelerado dos meios de comunicação. Acerto na mosca, como prova a internet. Para nós, dinossauros já embasbacados com a máquina de escrever elétrica, o advento do computador causou medo e espanto. Foi (é) complicado se adaptar à uma tecnologia inovadora e em constante mutação. Eu, que pertenço a uma geração mais nova que o teu pai, ainda estou engatinhando. Já a nova e novíssima geração, representada por ti e pelo Matheus, em contato permanente com as novas tecnologias, não se sente deslocada neste admirável mundo novo. O que para nós para é novidade, para vocês é natural. Assim caminha a humanidade, pro alto e avante.
Um beijo, tenha uma ótima semana.

Cecília disse...

É verdade Jens...
Acho que por isso meu pai não sentou mais em frente do computador, e também acho que por isso mainha ainda tem um certo receio, eu, comecei a ter aulas de informática na escola na 5ª série (94) e Matheus tem contato com o pc desde que veio morar conosco (e na escola invadia a sala informática quando ficava na escola a tarde)...

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Ah! Tempo!
Nunca quis voltar em ti.
Apenas espero que me devolvas
os sentimentos que vivi.
Não deixes que meu sorriso
se perca pelo cansaço
e que minha voz
se cale por um fracasso.
Não deixes que meus caminhos
se desviem da meta
nem que os percalços
sejam maiores que minha força
para que eu siga esta reta.

Passei neste lindo espaço para te desejar uma linda semana
Abraços

Mauri Stern Boffil disse...

Chacrete! Uhauhauhaa, nem me fale! Quando eu era menor queria ser Rita Cadillac (hoje já não quero mais depois do histórico pornô).

Eurico disse...

Que filha maravilhosa!!! E que tia supercarinhosa!!! Parabéns, minha amigona. Não esqueça de seu amigo cinquentão aqui, que tb é um quase jurássico em computação kkkkkkk

Marco disse...

Me lembrou do meu pai aprendendo a mexer no computador. Muito igual ao teu. Minha mãe, foi mais rápido, teve menos resistência. O único problema foi depois que os dois aprenderam a mandar e-mails pps de 10 megas para todo mundo, inclusive pra mim. Um inferno! hahaha Beijos!