sábado, 28 de fevereiro de 2009

Saudades!!!


Saudades vocês!!!
Sempre me digo que não vou passar tanto tempo assim sem atualizar este blog e sem fazer minhas visitas diárias que me dão tanto prazer e satisfação, porém, às vezes acontecem (pequenos) imprevistos, mas nada que não tem solução...

Vamos ao que interessa, então?

O carnaval foi super tranquilo, fui a Porto de Galinhas e a Enseada dos Corais, mas a maior parte dos dias pratiquei muito exercício: a leitura.
Pois é, meu carnaval não teve frevo, samba e nem maracatu, não teve caboclinhos, caretas, papangus... Teve muita leitura, peguei na biblioteca do AABB três livros da Zibia Gasparetto (
UM AMOR DE VERDADE; O FIO DO DESTINO e O AMOR VENCEU) todos ditado por Lucius. Um Amor de Verdade e O Fio do Destino li da sexta-feira até a segunda à noite e comecei a ler O Amor Venceu na terça; o primeiro é uma linda história e que me fez ver e sentir o que passava com os personagens, me arrepiei, sorri, tive os olhos cheios de lágrimas várias vezes, o segundo um pouco menos intenso, mas também me fez arrepiar, já o terceiro livro é um pouco mais complexo, que me arrepia, fez sorri também e encheu os olhos de lágrimas por vezes, ainda não consegui acabar de ler, suas emoções se misturam às minhas, tem me deixado confusa, feito sonhar com o que tenho lido, acho que estou um pouco impressionada pela leitura, talvez por se tratar de uma história verídica (pelo menos é o que diz no prólogo, e não duvido, pois as sensações que tenho quando leio e a forma tem mexido com meu íntimo é inexplicável...).

Há algum tempo tenho tentado me espiritualizar, voltei a ir à Igreja, sou católica, minha família é católica, mas sempre senti um certo fascínio pelo espiritismos sempre me senti atraída por essa religião (ou doutrina) e a vida sempre tratou de colocar pessoas ligadas a esta religião no meu caminho, sempre me fez passar por determinadas situações que quando olho e penso acredito cada vez mais no espiritismo, nas vidas passadas, na vida após a morte e sempre desejo ter forças para encarar as separações (mortes) das pessoas queridas quando elas acontecerem, é bem verdade que não penso nisso, mas lendo estes livros me lembrei que um dia isso acontecerá, mesmo que demore, e é o que desejo...Tenho analisado bastante as coisas que têm acontecido comigo, seja com relação a mim mesma ou com relação às pessoas que passaram e que fazem parte de minha vida, as pessoas que simpatizei de imediato ou que antipatizei, os amores, os sorrisos, as lágrimas, as vezes que me senti injustiçada por algo... E cada vez mais vejo que não estou aqui por simples obra do acaso, mas ainda não sei ao certo para que vim e isto me desespera às vezes... Sei que tenho que ter paciência, que vou em breve descobrir o propósito de minha vida, mas às vezes sinto uma certa angústia...
Vi que o post anterior gerou muitos comentários por parte dos leitores, algumas pessoas se mostraram revoltadas, outras solidárias com os meus sentimentos...
Quando li o e-mail (que motivou o post) tive um misto de sentimentos que ainda não tinha experimentado, sorri a princípio, achando aquilo ridículo, depois um pouco triste e um pouco revoltada, afinal, aquele texto falava de sentimentos meus, senti também uma certa alegria misturada com uma pitada de orgulho, pois estava seguindo minha vida numa boa, andando pra frente sem olhar pra trás, nem me lembrava do que tinha escrito até que ele (‘W’) mandou o e-mail e vi de alguma forma ele ainda pensava em mim, não nego que me satisfiz ao perceber isso, mas de uma certa maneira desejei que ele não tivesse mandado o tal e-mail, pois me fez relembrar algumas coisas que já estavam empoeiradas na estante da minha vida e então postei como se fosse um desabafo ou coisa parecida; não o escrevi aquele texto para ser bonito, na verdade se tratava de um desabafo, fui escrevendo e depois dispus as palavras como quis e a principio nem iria mandar para ele, mas resolvi fazer isso porque ele sempre colocava meus sentimentos por ele à prova e eu estava decidida a virar aquela página da minha vida e foi escrevendo o que estava sentindo que coloquei um ponto final (pelo menos foi o que pensei) naquele capitulo e que dei o primeiro passo para começar um novo capitulo, dois dias depois daquilo tudo conheci um rapaz que no mesmo dia se tornou meu namorado, porém, o ‘W’ resolveu me procurar e eu já estava namorando há quase um mês, ele se mostrou revoltado e chateado com aquilo disse pra acabar o namoro falei que não faria isso e com raiva ele foi embora; pensei que estava tudo bem, tudo resolvido mas 15 dias depois aproximadamente ele voltou a ligar mais uma vezes falou pra acabar o namoro etc e tal, e assim continuamos, eu namorando e ele de quando em vez me ligando pra saber se ainda namorava ou não até que um dia ele ouviu o que tanto queria, continuou ligando às vezes, veio aqui em casa até que um dia me chamou pra sair, perguntei por que pois não via necessidade disso e ele disse que precisávamos conversar sobre nós, aceitei, passamos a noite quase toda conversando e não chegamos a nenhuma definição, quer dizer, nenhum definição com relação a um namoro, um relacionamento sério e firme e com a paciência no limite joguei ‘na cara’ dele que ele não queria nada sério comigo e só me procurava pra tentar o que conseguia com todas que passavam pela vida dele e que mesmo depois de mais de um ano ele não tinha conseguido ainda comigo e que dificilmente conseguiria por sua atitude comigo, ele insistiu em dizer que estava enganada, mas sabem o que aconteceu depois desse nosso encontro? Nada, quer dizer passamos quase um mês se nos falar e um dia ele me ligou ‘P’ da vida porque eu não ligava (telefonava) para ele e tudo mais, conversamos um pouco e mais um tempo passou até que ele me mandou o e-mail, respondi perguntando o que ele queria dizer como aquilo, a resposta veio com uma ligação no domingo mais uma vez reclamou porque eu não o telefonava e eu disse que não tinha o que falar com ele que se exaltou e falou do nosso último jantar do quando gostava de estar comigo e da química que rola entre a gente, mas ele se irritou com minha aparente indiferença e desligou o telefone, fiquei preocupada e no dia seguinte liguei pra ele, mas o celular deu desligado e na terça-feira ele ligou dizendo que o celular tinha descarregado e veio com uma conversa que me fez sorrir, imaginem que falou que iria me dar uma aliança de noivado, oxe, a gente nem nunca namorou... Hunf, conversamos por quase uma hora, ele disse que iríamos almoçar na quinta-feira pois precisávamos conversar e me telefonaria para combinar como faríamos, concordei, mas intimamente tinha certeza que isso não aconteceria.
Bingo! Acertei! Ainda bem que não esperei a ligação dele, pois a esta hora estaria fraca de fome... Rsrs...
Bem, não sei por que escrevi tudo isso, uma vez que me sinto tranquila com relação a tudo isso, só queria que ‘W’ encontrasse uma Mulher, alguém que fizesse ele se sentir bem e ocupasse os seus pensamentos, pois vejo que ele anda ‘cheio’ dessas garotas com quem ele se relaciona, porque ando com minha paciência no limite com esse chove não molha, acho que com uma Mulher em sua vida colocaríamos um ponto final em toda essa situação, pois não aguento mais as reticências (agora, se não for pra ter outra mulher em sua vida, que ele se decida de uma vez por todas e que veja que não sou uma boneca que coloca e tira da prateleira a hora que quer e bem entenda).
Me desculpem por encher vocês com meus desabafos, espero que não se chateiem por isso. :)
Vejamos o que vai acontecer, afinal, o amanhã a Deus pertence!
(Hi, O Amanhã a Deus Pertence é o próximo livro que vou ler) :)

Beijos, Beijos!!!

Imagem Aqui

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Eu tentei tirar você do meu coração

Não gostar de ti

Não amar-te

Eu menti

Inventei outro mulher na minha vida

Criei uma historia, uma situação

Me contradisse

Nada era verdade, só desculpas pra te afastar mim

Mas isto não importa (mais)

Tentei não te ligar

tentei não pensar em ti

Mas, não consegui

Na verdade não consigo

...

Me arrependi de te chamar pra sair

Chorei por não poder voltar atrás

Mas, fiquei feliz com a possibilidade de te ter por uns instantes ao meu lado

De poder te ver, estar contigo

Sofro, você me deixa insegura

Ninguém nunca fez isso

Odeio quando seu celular toca

Imagino mil situações

Odeio quando você se afasta pra atender o celular

Imagino mil situações

Pra te afastar

Mas tudo que quero é ficar com você

Ao meu lado

Sempre perto de mim

Quero a receita

Pra te tirar da minha vida

Quero a receita

Pra fazer você ficar comigo

Quero a receita

Pra juntar teu corpo, meu corpo

Num corpo só

Sempre

Você e eu

Ou seria

Eu

...

Você

Estou confusa

O que você quer

Não sei

O que quero

Eu sei

Mas não quero eu querer sozinha

...

Me perdoa por não ter falado hoje,

pessoalmente,

mas você me deixa insegura (e muito)

Quero falar, tento falar e não consigo

Quando te olho tenho vontade de mil coisas, que não sei o que é...

Mas, a vida é assim

O que tiver de ser será

E espero que seja o melhor

Pra gente

Até qualquer dia....

♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣ ♣
Nota:

Em setembro/2007 conheci um rapaz na festa de confraternização de um treinamento, conversamos a noite toda e começamos a sair, até que um dia (acho que de alguma forma viu que estavamos beeem envolvidos) resolveu me dizer que tinha um 'rolo', então falei que desenrola e conversamos, ele continuou a me procurar, mas tentei ficar só amiga, até que, um dia ele me ligou dizendo que iria para o sul (não lembro a cidade) com 'o rolo' dele, só que me mandava -email, às vezes me ligava e quando veio passar a semana santa aqui me procurou, disse que não estavam mais juntos, porém, fiquei com um pé e meio atrás e não deu outra, em menos de 10 dias foi embora outra vez, mas em maio, voltou de vez (e sozinho), mais uma vez me procurou e voltamos a sair, então, em julho (2007), ficamos numa situação tal que depois de voltar comemoração do aniversário do meu irmão escrevi isso, e hoje, na caixa de e-mail tinha um que ele enviou com o assunto: 'Só para você Ceça.'. E quando fui ler, o que encontro??? Pois é, justamente o que estão pensando, o texto que escrevi em julho do ano passado... Hunf...

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Tecnologia, Meus Pais e Matheus

É engraçado ver com as coisas evoluíram, como estão diferentes de quando eu era criança; hoje as crianças brincam com vídeo games com CDs e DVDs, até joystickers, ops, controles sem fio, jogam jogos de computador, fazem pesquisas na internet, digitam trabalhos... Tivemos um videogame, um atari, se não me engano (jogávamos super Mário, corrida de carros...) e era com cartuchos (eram grandes), meus trabalhos da escola eram feitos a mão, lá pela 6ª série é que comecei a fazer trabalho na máquina de escrever do trabalho de Mainha, e nem eram todos os trabalhos (só os que os professores exigiam que fosse digitado), já que, a máquina não era nossa, computador só tivemos em 99, se não estou enganada, jogava War, Imagem e Ação, Banco Imobiliário, brincava de Passa Anel, Telefone Sem Fio, Elástico, Bambolê, Barra Bandeira, brincava na rua até de noite de Futebol, Vôlei, Esconde-Esconde, Pega-Pega... Claro que as crianças e adolescentes ainda jogam estes jogos e brincam das mesmas brincadeiras, mas com menos frenquencia, pois preferem os videogames, filmes (de lutas, na sua maioria), sem falar que brincam presas às grades dos condomínios, sem a liberdade que tínhamos quando eu era criança e adolescente, a tecnologia também ajudou no aumento da violência...

Matheus tem 5 anos e desde os 3 anos e meio +- tem contato com o computador, pois comprei uns livrinhos de história que vieram com cd room (na minha época quando acompanhava áudio era fita cassete) com as historinhas e músicas das historinhas e alguns até jogos tem (quebra-cabeça, jogo dos erros); hoje, ele mesmo liga o PC, coloca e tira dos CDs e DVDs, coloca o filme para começar (play), coloca pra parar quando quer ir ao banheiro ou beber água, passa uma cena que não gosta, volta para uma que gosta... Também usa o computador para ver desenhos (como ele chama) de animais, filminhos que assiste... E é ele mesmo que faz a busca no Google, soletro a palavra e ele digita, quando tem dúvida em uma letra escrevo no papel ou digo que está perto da letra tal, claro que faz tudo isso com minha supervisão, ele sabe que se mexer no PC sem eu, Mainha ou o pai dele por perto fica de castigo...
Quando tinha a idade dele nem sonhava que poderia existir computador, nem vídeo game, brincava de dançar na frente da TV imitando as chacretes (até maiô eu vestia) e as paquitas (se bem que acho que as paquitas eu á tinha uns 7), brincava de cantar com Mainha no gravador (dia desses encontrei uma fita cassete), jogava bola, andava de bicicleta, pulava corda, amarelinha, brincava de desenhar, até amiga imaginaria eu tinha e fazia pic nic com ela. Matheus brinca dessas coisas, mas acho que ele passa mais tempo na frente da TV que eu...


Em 2007, meu pai teve que renovar a carteira de motorista e a prova (não sei por que ele teve que fazer, pois é motorista há mais de 40 anos, sem multas ou acidentes) era eletrônica, então ele se aperriou, nunca tinha usado um computador, aí, eu entrei na net e baixei uma prova pra ele:
- Pai, vem cá!
E ele veio com a apostila do DETRAN, ficou tão ansioso e nervoso que ‘devorou’ a apostila.
- Que foi?
- Senta aqui, quero te mostrar uma coisa! Este é o site do DETRAN, tem um monte de coisa, tem informações sobre o carro, IPVA, multa... E tem a prova simulada que o senhor vai fazer pra poder treinar, quer tentar?
- Não, agora não. Ainda tenho que estudar mais, depois digo quando.
- Tá bom...
Uns dias depois ele perguntou se ainda tinha como fazer a prova, então ‘apresente’ o PC a ele (mouse, monitor, teclado), abri a prova e falei que era só ler e marcar a resposta que ele achava que estava certa, e depois era só rolar a tela pra cima e mostrei a bodinha no meio do mouse.
- Pai, isso é o mouse, o senhor coloca pra um lado e pro outro, pra frente e pra trás e esta setinha se mexe, pra marcar a resposta é só apertar (de vagar) neste botão com o indicador, entendeu?
- Sim.
- Tá, qualquer coisa é só me perguntar.
Um tempinho depois...
- Filha, como faço aqui?
Olhei e disse:
- É só colocar o mouse pra cima.
- Assim? Não ta fazendo nada...
Hunf... Quando olhei, ele estava com o mouse levantado e perto da tela. Sorri sem deixar que ele ver e disse:
- Não pai, coloca na mesa. Desculpa não explique direito. Quando falo pra colocar pra cima é só mexer o mouse pra frente e a setinha anda, olha.
Peguei na mão dele e mostrei. E ele fez uma cara sem graça...
Depois disso pediu pra fazer a prova mais umas duas vezes, até que chegou o dia da prova. Então, foi a minha vez de ficar ansiosa querendo saber como ele tinha se saído. No fim das contas deu tudo certo, ele disse que terminou um pouco antes do tempo e teve que esperar e que só errou uma questão...
Ele continua sem usar o computador, mas às vezes pede algumas coisas, uma vez pediu pra imprimir um documento da prefeitura, outra vez ele pensou que tinha levado uma multa e perguntou se tinha como ver. Acho que a única máquina que ele se dá bem é o carro...
Já com Mainha foi diferente, mais pratico e rápido, ela teve contato com o computador desde que compramos o nosso primeiro (98 -99), na verdade acho que um pouco antes disso, no trabalho quando resolveram modernizar o processo (até colocaram os funcionários pra fazer um curso), mas o uso ficava restrito às coisas de trabalho, e em casa quando tinha alguma coisa interessante e eu mostrava ou pra pegar alguma receita ou jogar Paciência e FreeCell, é que ela é meio ‘formiga’, ou seja, faz sempre o mesmo caminho, no caso do uso do PC é que ela sente dificuldade devido a versão dos programas do trabalho ser diferente da de casa, mas aos poucos ela está se acostumando, até fiz um e-mail pra ela (só tinha o do trabalho) e ela quase todos os dias acessa, me manda e-mail e também salvei alguns e-mails de meus tios e primos. Acho legal quando a vejo minimizar um jogo e acessar a net...


Ótima Semana a Todos!!!
Beijinhos

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

ੴ Convite ੴ

E a super Loba enviou um convite (uma quase intimação - rsrs) aos seus leitores.
Hoje recebemos um e-mail, para ir conferir o
Palimpnóia.
E claro, fui lá correndo dá uma conferida neste convite, na deliciosa proposta que a Loba citou no tal e-mail, olha, e como imaginei a proposta não só era deliciosa como indecorosa também.

O
Palimpnóia era formado por seis maravilhosos e (super) inteligentes amigos, falo era, porque dia desses um dos integrantes precisou se afastar por motivo de força maior, o que é uma lástima, pois seus escritos são muito interessantes, mas, infelizmente, foi preciso, coisas da vida...
Então, diante dessa perda os outros integrantes se reuniram e resolveram fazer um
convite aos leitores: para contribuirmos com eles no espaço de convidados do Palimpnóia.
Já é uma honra podermos ler seus textos, imaginem podermos contribuir e interagir com eles? Com certeza vai dar em boa coisa, ou melhor, numa coisa ótima.

Ficaram curiosos?
É só clivar no nome
Palimpnóia ou no selinho do blogue.





Beijos

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Porque Ele Faz

Meu Mundo Girar...

Estou apaixonada, e não é de hoje, é desde a primeira vista.
Tá, tudo bem que não foi só agora que eu percebi, mas é que hoje resolvi falar sobre
ele.


Pensaram algo diferente, ficaram surpresos?
Espero que não tenham se decepcionado ao perceber que vou falar de Matheus, pois, por um instante vi alguns de você vibrando ao pensar que eu iria falar de um novo amor, um novo namorado, mas o amor de hoje é antigo, é um amor de uns 4anos e meio.
Rsrs...

03/12/04 ele estava completando 1ano e 7meses e foi justamente o dia em que ele veio morar conosco.
A princípio houve um pouco de rejeição da minha parte, foi difícil aceitar meu irmão com 18anos sem trabalhar, sem estudar, sem ter nenhum tipo de responsabilidade e pai de 2 meninos. João (o mais velho) sempre tive contato até sou madrinha dele, mas Matheus eu só conheci de fato quando ele veio morar aqui, antes disso só o tinha visto quando ele tinha uns 9meses (quando a mãe dele surtada largou ele aqui, depois se arrependeu e veio buscá-lo).
E o tempo passou, até que ele finalmente veio morar aqui por determinação do Conselho Tutelar...

Lembro perfeitamente do dia que ele chegou. Eu estava dormindo, não tinha tido aula e nem estágio, estava no processo de transição de um Hotel para o outro e no dia anterior (02/12) não tinha dormido direito, pois saí para comemorar aniversário de um amigo; acordei ouvindo Mainha brincar com uma criança e quando cheguei na frente de casa ela estava balançando uma criança (aqui em casa tem três balanços no jardim).
- Mãe, quem é esse?
- Matheus.
- Matheus? Que Matheus?
- Oxe menina, filho de Mozart.
- Oxe, e o que ele ta fazendo aqui?
- Vai morar aqui agora.
- Ãh? Como assim? Que história é essa?
- A avó dele trouxe cm dois conselheiros...
E me contou toda história, enquanto balançava ele.
Lembro que não tinha gostado muita da idéia, mas não por ele, pela mãe, que é toda problemática...
Então, demos entrada no processo de guarda e em janeiro do ano passado Mainha assinou a guarda definitiva. Ficamos numa alegria imensa, Mainha ficou aliviada, acho que se sentiu mais segura por ser guardiã definitiva dele.


Em casa comendo tomate. Ele come tomate como
quem come maçã. Acho que ele ainda não tinha 2 anos.


Em casa, vivia mordendo o lábio, eu achava lindo...
Hoje, ele está totalmente diferente.
Quando chegou era desconfiado, cismado, não podia ser contrariado ou ouvir um não que fazia malcriação, tentava bater na gente ou jogava algo no chão (seja alguma coisa que tivesse na sua mão ou qualquer coisa ao alcance), não andava, só corria (se bem que isso não mudou, tenho a impressão que ele pensa que o mundo vai acabar no próximo segundo). Criar Matheus é um processo de paciência, crescimento e aprendizagem diária...
O primeiro de tudo e que exigiu muita paciência foi mostrar e ensinar que ele não podia bater na gente e nem jogar as coisas no chão (este segundo foi mais demorado); bastava proibir ele de fazer qualquer coisa ou repreender por ter feito algo errado que ele vinha dar tapa ou morder, teve uma vez que jogou a cadeira da mesa de jantar no chão e o pior é que bateu no polegar do pezinho dele e ao mesmo tempo que ele chorava e me pedia colo queria bater em mim... Então, sempre que ele tentava ou me batia eu falava que não podia e que tinha que dar beijo e fazer carinho e que não podia bater, aí eu dava um beijo e/ou fazia carinho nele, mas ele tinha pouco mais de um ano e não entendia direito, até, que um dia, fui surpreendida:
Estava em casa sozinha com ele e resolvi fazer um bolo, ele estava brincando entre a cozinha e a sala de jantar (pois não gostava e ainda não gosta de ficar só), quando, de repente ele chegou por trás de mim abraçou minhas pernas e deu um beijo. Só que eu pensei que ele fosse me morder e, pleft, larguei o ovo no balcão por conta do susto. Aí me virei peguei ele no colo e enchi de beijo (com os olhos cheios de água, ele nunca tinha feito isso, ainda hoje me emociono).
Acho que ele se acostumou a ser acarinhado, beijado, abraçado, acho que viu que era melhor e mais agradável e passou a fazer sempre, quando a gente menos esperava ele dava um beijo e um abraço (ainda hoje é assim) e também passou a dizer que ama agente, como fazemos com ele.
Janeiro, em João Pessoa
Tá grande, piadista, vive fazendo gracinha e termina fazendo a gente virar palhaço e criança também.
Não imagino mais minha vida sem este menino, minha mãe então, vive em função dele.
É tão engraçado, ele conquista todo mundo com seu jeitinho brincalhão e carismático, seu sorriso é encantador e contagiante, na escola todos gostam dele, da diretora ao faxineiro, os coleguinhas da sala e seus pais, meus amigos e os pais dos meus amigos (a mãe de Kinha sempre que me vê pergunta logo por ele), os colegas de trabalho de Mainha, os porteiros dos prédios daqui da rua...

Sabe, enquanto estou escrevendo vai passando um filme na minha frente, o primeiro dia de aula, a primeira viagem que fizemos com ele (foi o caminho todo acordado, falando e cantando comigo), a primeira vez que o levei à praia, a primeira vez que fomos a Fazenda Nova, que andou a cavalo, primeira consulta à pediatra, os primeiros exames médicos, a primeira festinha de aniversário conosco (não esqueço a carinha de contentamento dele vendo a gente cantar parabéns (ele adora festas de aniversário)), as primeiras doenças (viroses), o primeiro campeonato de Judô (e a tensão que ele ficou antes de começar e o orgulho por ter ganhado as lutas), as quedas, os sustos, as brincadeiras (lembro tudo)...



Primeiro dia de aula


Aprendendo a comer sozinho...

Uma vez, ele tava com uma virose, pelo menos era o que pensávamos, vivia com o nariz escorrendo e espirrando, não tinha xarope que desse jeito, até que fomos ao médico, e quando ela examinou... Adivinhem o que era?!?!
Um pedaço de espuma do travesseiro que descosturou e não vimos e ele colocou no nariz e como era novinho e não sabia se expressar direito não disse o que era. Ficamos preocupadas e assim que chegamos em casa trocamos logo o travesseiro.

E a primeira vez que dormiu fora de casa (na casa da avó materna)? Vixe, foi horrível, vivia indo no quarto olhar se ele estava dormindo direitinho e na hora que fui dormir fui dar um beijo nele... hunf... Demorei muito a me acostumar com isso.

É tão encantador vê-lo crescendo, aprendendo as coisas, é muito bom e gratificante tudo.
Antes ele trocava o ‘b’ pelo ‘m’ ou ‘n’; ex: quero manana (banana), quero normir (dormir), posso ver tua muneca (boneca)... Aí sempre que ele falava assim eu repetia a palavra certa e ele repetia, hoje, ele fala certinho e quando escuta eu falando bunito, ele diz bonito... Enxerido...

Brincando na piscina, agora está furada, mas mesmo
assim ele ainda usa (pra dar banho nos ainmais de brinquedo)
Essas fotos devem ser de 2007 ou final de 2006 (não lembro)

Hoje fui com ele ao Parque da Jaqueira, passamos o final da tarde lá; ele levou a bicicleta e eu aproveitei que estou caminhando todos os dias e de tênis, e fiquei acompanhando ele, que achou o máximo...
Foi tão engraçado depois que terminei de ensinar a ele a tarefa da escola e disse pra ele lanchar para irmos à Jaqueira ele me deu um abraço apertado e disse sorrindo: “- Obrigado Tia!!!”

Essa semana, inventei uma brincadeira: ele tem um patinete e vive correndo com ele pra cima e pra baixo por dentro de casa e então mandei ele sentar e dei um empurrão bem forte e ele foi da sala até o banheiro, e ele caiu na risada e disse: “-faz de novo, tia!”. Bem, nem preciso dizer que agora vive me pedindo pra eu empurrar, né? E o que ele mas gosta é que fico fazendo macaquice e ele ri muito...

Bem, vou ficando por aqui, depois falo mais...
Espero que tenham gostado. :)

Beijinhos...

Matheus e João Victor.
Primeiro campeonato de Judô, tenso antes do começo.
Uma das lutas do dia, ganhou 1º lugar.
participou de três campeonatos, dois foi 1º lugar e em um 3º.

Comendo leite condensado. Alguém sabe com quem ele
aprendeu isso??? :) Algum dia de algum mês de 2008. :)

Janeiro, no Parque da Jaqueira


Janeiro, no Game Satatio.
Em Casa. Janeiro.
Brincando em casa, é assim, ele anda a casa toda com os bichos na mão...
Andando de bicicleta na frente de casa. Olha os balanços que falei...

João Pessoa/Jan-2009
Com Nuno - João Pessoa/Jan-2009
Emburrados porque não viram as cobras. João Pessoa/Jan-2009

Zoo - João Pessoa/Jan-2009
Um dia aqui em casa.
AMO MUITO!!!!!!!

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Esse Tal


Imagem Aqui

Amor...

Um sentimento tão maravilhoso, que deixa a vida cheia de luz, felicidade, harmonia, paz, coragem e contagia a todos...
Porém, este sentimento tão maravilhoso quando não é correspondido traz tristeza, angustia e dor.

Imagem
Aqui

Não, não estou amando sem ser correspondida, na verdade nem amando estou (ainda), mas um dia, amei e fui amada (foi maravilhoso enquanto durou, hoje, somos amigos), fui amada no começo e depois não mais (ele desamou, e eu ainda continuei amando-o, o que me fez sofrer. Chorei, senti raiva, dor, angústia, até, que um dia eu desamei, esse dia demorou muito a chegar, mas chegou, sei o que fez este dia demorar a chegar, foi a atração e a paixão que sentia por ele e que por instantes confundi com amor. Continuo sendo sua amiga, por em não pretendo encontrá-lo tão cedo....).
Depois dele conheci outros homens, tentei iniciar um relacionamento, mas não senti a magia, a química que tem que ter, e acredito que eles também não, não existia uma atração suficientemente forte, nada que me fizesse sentir como das outras duas vezes, nada tão intenso que me fizesse esquecer o medo e entrar de cabeça, e olha que tentei. Mas todos que se aproximaram de mim (inclusive os dois primeiros) em algum momento mentiram e de alguma forma me magoaram e isto me fez ficar desconfiada, receosa e passei a pensar o pior de todos que se aproximam. Acredito que seja por isso que eu tenha resolvido ficar só por um tempo, ter um tempo pra mim e comigo, foi bom, aprendi, cresci, me conheci melhor, mas sério, já tá bom, ta virando solteirice crônica. Rsrs... Até porque eu não vou jamais desistir de amar, ser amada e principalmente, de ser feliz.


Imagem Aqui

Estes dias andei pensando no ‘R’, um rapaz que conheci há pouco mais de um ano e meio, ele é amigo do ex de uma amiga minha ‘E’. Ficamos juntos na noite que nos conhecemos, mas, no dia seguinte ele tinha que voltar pro país dele. :( Aquela noite foi mágica, foi diferente, algo ficou no ar e com certeza em mim também... ele pegou meu MSN e Orkut ‘E’ e sempre mantivemos contato, sempre conversamos e em uma dessas conversas ele falou da vontade de vir morar no Brasil, bem, era só um plano, um desejo, uma possibilidade, até que, em janeiro virou realidade...
Ainda não nos vimos, apenas nos falamos por MSN e uma vez por telefone, é que ele não veio morar aqui em Recife é que na cidade do amigo dele, ele tinha com quem dividir o apartamento e um emprego (tem um amigo do país dele que tem um negócio lá), então, entre nós ainda existe uma distância, porém BEM menos que aquela que existia quando nos conhecemos, as coisas ficaram mais fáceis.
Estamos nos programando para passar o carnaval juntos. Espero realmente que dê certo, quero revê-lo e sem falar que precisamos conversar pessoalmente, quero olhar nos olhos dele, preciso sentir que o que ele fala é verdade. A ‘ E’ diz que ele gosta de mim, que sempre que se falam ele fala de mim, mas não consigo deixar de pensar que ele não é brasileiro e que só pode ficar aqui, pelo menos legalmente, 6 meses e sei que ele quer ficar aqui, quer morar aqui definitivamente e pra isso ele tem duas opções: fazer um investimento (abrir um negócio ou algo do tipo, não entendi direito) ou casar... Mas não quero pensar o pior dele, pois sempre se mostrou sincero quando nós conversamos, mas não tem o olho no olho...
Bem, vou torcer pra que aconteça o melhor...


Imagem Aqui

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Hoje Vou Falar Sobre...


Meu Pai!!! :)

Hoje, meu pai e mais três tios embarcam para um cruzeiro de 8 dias, na verdade, na madrugada de hoje pra amanhã (2:45, salvo engano).
Estranhei quando ele chegou em casa dizendo que passaria 8 dias viajando com ‘os Manos’, como ele fala. Não há nada demais em 4 irmãos viajarem, né? Exceto pelo fato de meu pai nunca passar mais de 2 dias fora de casa, na verdade é um sacrifício fazer ele passar um final de semana fora de casa, quando era criança e adolescente várias vezes em feriados painho chegou ao absurdo de levar a gente pra algum interior ou praia na quinta-feira, voltar no mesmo dia e no domingo ir buscar a gente, com o tempo ele começou a aceitar passar finais de semana com a gente, mas era notório que ficava incomodado por estar fora de casa... Outra coisa que me causou estranheza foi o fato de a viagem ser de navio, na verdade, navio e avião, porque o navio não saí daqui e sim de SP e meu pai é um pouco medroso (ele mesmo admite (Inclusive está ansioso e inseguro, quer de todo jeito ir pra casa de Tio Marcelo (um dos meus tios que vai) pra ir pro aeroporto com ele. Tá fazendo a barba, agora... rsrs...)), às vezes quando eu falava de fazermos uma viagem para o sul ele dizia:
“- Deus me livre, avião, quero nem saber!!!”
Rsrsrs

Então...
Ontem fui com ele no shopping para comprarmos umas camisas, pra ele usar durante o dia no navio; e terminamos compramos mais do que camisas, pois tive que lembrar ele de alguns itens básicos de higiene pessoal.
- Pai, tem xampu, sabonete, escova, desodorante, pasta de dente?
- Eita, bem lembrado! Falta xampu, desodorante, pasta de dente e barbeador.
- Huuum... vamos pegar.

Depois que compramos o que precisávamos demos uma volta pelo shopping (é que eu aproveitei para ver uma coisa que estava querendo), pois mesmo sendo super perto de casa painho ainda não conhecia, e aconteceu uma coisa engraçada, na verdade duas:
Quando estávamos andando painho falou:
- Oxe, não sei mais nem voltar pro carro, onde estamos???
- No shopping, oxe!! Falei sorrindo.
Ele me olhou de lado com uma cara engraçada, que me deu vontade de rir mais.
- Pode deixar, sei onde estamos e onde ta o carro. Fique tranquilo.
É que ele é cismado comigo, uma vez fiz ele andar meio estacionamento de outro shopping que tem aqui atrás do carro e o tempo todo eu sabia onde o carro tava... Ele ficou danado comigo. Mas quando me viu rindo riu também... :P
A outra coisa engraçada foi quando estávamos passando por uma cafeteria
- Vixe, quanto velho tem aqui. O que mais tem em Recife é velho!!!
Kkkkkkkkk... Soltei uma gargalhada!! Mas vocês já sabiam que eu iria ri com isso, né???
Imaginem vocês, um coroa de 68 anos reclamando que no shopping tinha muito velho... Sei não, viu?!?! Painho sai com cada uma...
Mas é bem verdade, nunca tinha visto tantos idosos em um shopping, mas deve ser por causa do cinema e das cafeterias, sem falar que lá tem bons restaurantes.

Por um instante achei que ele não me deixaria arrumar a mala dele. Sei que não tem nada demais, mas é que ele é todo cheio de melindre comigo.
Lembro quando ele fez a cirurgia de próstata. Mainha passava a noite e eu o dia, só que no começo ele se negava, dizia que não precisava, que ficava sozinho sem nenhum problema, acho que é porque ele ficava nu, só usava aquele ‘vestido’ (já que não sei o nome, vai vestido mesmo, a te porque parece um) que os doentes usam. Eu até perguntei se ele não queria que eu fosse pro hospital porque ele tava usando vestido. Hihihi... Ele não gostou muito, fez uma cara estranha pro meu lado...
Engraçado foi o dia que o médico falou que ele iria ter fica caminhando duas vezes por dia, pela manhã e a tarde, e quem estava acompanhando ele? Euzinha da silva sauro. Mais uma vez ele me fez rir.
Se recusou a andar comigo, queria de todo jeito chamar a enfermeira, tudo isso porque o vestido só cobre a parte da frente, e ele tava preocupado porque estava nu e com a bunda (branca) de fora... Hhihi
- Deixa de besteira, meu pai! E eu lá sou criança. Oxe, vai andar comigo sim. A enfermeira está ocupada, não só tem o senhor aqui não. Vamos!
Ele com cara de criança contrariada se levantou e foi andar comigo. Pode até ser que eu tenha sido dura com ele, mas foi bom porque no segundo dia eu nem precisei chamar, ele mesmo perguntou se iríamos andar.

Eu sei que pra ele era um pouco desconfortável a situação, acho que ficou imaginando mil coisas, até porque existe um choque de gerações muito grande entre nós, são 42 anos que nos separam, não deve ter sido fácil pra ele estar naquelas condições, ‘depender’ de mim, meu pai não evoluiu com o tempo, tem pensamentos muito arcaicos...


Lembro quando ele descobriu que minha tatuagem era de verdade e não sairia mais. Me xingou de um monte de nomes bem legais (ladra, traficante e drogada foram os mais bonitinhos, não queiram nem saber o resto..) e ainda ficou um mês sem falar comigo, nem me olhava direito e quando me via de costas com o cabelo preso falava que não se conformava (até hoje fala isso)... E quando viu os 5 brincos na minha orelha... Hunf...
- Coisa mais feia, olha a orelha dessa menina!!!
Mas dessa vez não respondi, nem discuti com ele, fiquei calada olhando pra frente.

Bem, mas é isso, entre ‘tapas e beijos’ seguimos nossas vidas, mas Cho que isso acontece porque sou muito parecida com ele, queria ter a tranquilidade e a calma da minha mãe...

Eita, lembrei de uma situação bem engraçada minha e dele, mas depois conto, o post já está muito grande.

Espero que ele e meus tios façam uma Boa Viagem e aproveitem estes dias juntos...

Antes que esqueça:

A primeira foto foi tirada em Fazenda Nova (Julho/2008) e a segunda na casa de Voinha no natal (2008), Painho, eu e Mainha; e ele dizendo: "O Papai Noel está com sono, vou dormir." E encostou no meu ombro...

Beijinhos a Todos!!!


Imagem Aqui

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Obrigadas


Estava pensando em escrever um post sobre Matheus e a vontade aumento ainda mais depois que li lá no blog da Fernanda um post sobre ‘Magia’, que surgiu de uma conversa dela com o filho e enquanto eu lia o post foi passando um filme em minha mente que começava no dia em que Matheus veio morar conosco, mas, quando vim olhar os comentários do post anterior me deparei com um conselho e que me fez refletir, então, resolvi agradecer.

Bem, me viciei nisto daqui, e com isso fiquei com mania de sempre olhar os comentários que fazem nos posts, olho várias vezes ao dia, ex: meu irmão está usando o PC e se levanta para beber água, aproveito e dou uma olhada nos comentários. É bem verdade que não respondo os comentários sempre que leio, gosto de responder quando sento pra valer na frente do PC, quando sento pra atualizar o blog, visitar e comentar nos blogs amigos e até mesmo conhecer novos blogs e foi numa dessas vezes que vi o conselho.

Sabem que me ri sozinha na frente do pc?!?!
Ri ao perceber o ‘cuidado’ e o receio que permeavam o comentário; mas também percebi que no mesmo tinha muito carinho e por isso me enchi de orgulho por ser merecedora do conselho, uma vez que veio de uma mulher que admiro bastante, uma mulher madura, vivida, preparada, (super) inteligente, uma mulher forte e decidida: a Beti.
Eu posso até está sendo pretensiosa, mas acho que um conselho como este só recebemos de alguém que sente algum carinho por nós, principalmente nos dias de hoje e no mundo da internet, que a principio é impessoal e frio. Digo a principio porque foi através deste mundo (mundo da internet) que conheci um grande amor, fiz uma parceria, conheci pessoas inteligentes e sensíveis, umas já conheci pessoalmente outras, sei que um dia conhecerei. Descobri no mundo ‘blogueiro’ (não gosto muito desta palavra) um mundo encantador, curioso, inspirador e onde aprendi muito, sobre muitas coisas...

Gosto de aprender, sou curiosa e dou muito valor ao que pessoas com mais experiência que eu falam, mesmo que não pareça. Sempre convivi com pessoas mais velhas, na minha família, das netas eu sou a caçula, então com o tempo me acostumei e passei a gostar (e muito) de ter pessoas mais velhas ao meu lado. Acredito que as pessoas mais velhas enxergam mais longe e vêem o mundo de uma maneira diferente, com certeza pela vivencia (choros, sorrisos , conquistas, decepções...), não que eu não tenha chorado, sorrido, conquistado e até mesmo me decepcionado, mas é diferente... e os conselhos de pessoas assim, fazem com que possamos cometer menos erros e não levar as quedas que levaram, sem falar que fazem com que vejamos o mundo de uma forma diferente do que conseguimos alcançar. Sinto isso quando converso com meu Tio Albergio, senti quando conheci o Eurico, quando resolvi levar o blog mais a sério – tenho blog há uns 6 anos, mas como surgiu de uma brincadeira eu levava numa brincadeira – mas quando resolvi mudar de blog passei a ler mais blogs, pois daquela época só conhecia uns três blogs interessantes (DO, Mayra e Sieger) e com os novos blogs conheci a Loba, a Beti, o Zeca, Miguel, Maurizio, Mai, Boca... e tantos outros que são igualmente maravilhosos e inteligentes, pessoas que escrevem muito bem e me fizeram mergulhar em um mundo até então desconhecido, inclusive um mundo de inspirações e criações.

Sou muito mimada, gosto de ser acarinhada, mas muito chata e não gosto que se metam na minha vida, que me digam o que fazer ou não, se bem, que não foi isso que pensei da Beti; porém acredito que ela ficou receosa de eu pensar assim, pois nos conhecemos pouco e com o pouco ela conhece de mim fez uma ‘análise’ sobre meu blog e meus escritos.

Gosto muito de ler e escrever, mas minha escrita não acompanha meus pensamentos, minha mente é um milhão de vezes mais rápida que minha mão, meu português é melhor quando falo do que quando escrevo e sem falar que meu pensamento apesar de rápido muitas vezes é desconexo, deve ser por isso que tenho poucas coisas escritas, sem falar que tenho medo de escrever asneiras, por isso, quando escrevo é mais pra falar do meu cotidiano, da minha família e amigos, é mais fácil.

Então, Querida Beti, fique tranquila! Pois gostei de ler sua sugestão, me senti lisonjeada ao perceber que você me acompanha tão de perto e principalmente orgulhosa por merecer seu conselho, sem falar que com ele pude refletir e abrir os olhos e ver que não tenho que ter medo e sim paciência e calma na hora de escrever, mesmo que meus pensamentos e idéias atropelem minha escrita.

Mais uma coisa:
Você tem razão Beti. Tem razão quando diz que cresci. Passei por umas experiências bem diferentes do final de 2007 e no decorrer de 2008. Tive uma fase estranha e complicada, passei por uma fase de aprendizado que ainda não acabou, mas principalmente, estou passando por uma fase de autoconhecimento e com certeza isso tem feito muita diferença (em tudo).

Então, esta primeira parte do post de hoje é em agradecimento à Beti e a todos os autores de blog que conheci em 2008 e principalmente os que conheci a partir do AO, participantes ou não (não vou citar nomes porque já fiz esta indelicadeza. Falo indelicadeza porque não falei o nome de todos, me perdoem, mas não esqueço de nenhum de vocês).


Espero que não se incomode por eu ter
'roubado' esta foto do seu blog.

**********************************
O Querido Si, me selou, ops, selou o Happiness Is No Mystery como um Blog Maneiro.

Mais uma vez eu fiquei feliz da vida!

E temos que passá-lo obedecendo algumas regrinhas, então, vamos lá!

Regras:
1 - Exibir o selinho do Blog Olha que maneiro!

2 - Postar o link do blog pelo qual foi indicado.

3 - Indicar e comunicar 10 blogs da sua preferência.

4- Confira se os blogs indicados cumpriram as regras.

5 - Envie sua foto ou de um(a) amigo(a) para olhaquemaneiro@gmail.com juntamente com os 10 links dos blogs indicados para verificação. Caso os blogs tenham repassado o selo e as regras corretamente, dentro de alguns dias você receberá uma caricatura em P&B.

6 - Só tá valendo se todas as regras acima forem seguidas!
Repasso o selo a 10 Blogs Maneiros:

1 - Katia
2 - Boca
3 - Eurico
4 - Mai
5 - Loba
8 - Dira
9 - Beti
10 - Fernanda

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Reciclagem de Vida


Não sei se a vida se recicla.
Não, talvez não.
Mesmo se após um tempo de reflexão decidimos
mudar nossa vida,
seremos sempre nós mesmos no fim.
Mudados, mas nós.
Com todas as marcas e cicatrizes para que não
nos esqueçamos do que fomos.
Sabemos que jamais poderemos recolar os pedaços
das coisas vividas e construir novas.
Colchas de retalhos são muito bonitas,
mas não passam de colchas de retalhos.
Remenda-se panos,
recola-se papel ou vidro,
mas não se remenda vidas,
não se recola momentos passados,
coisas que deixamos pra trás.
Recomeçar? Sim.
Recomeçar é possível, mesmo (e felizmente)
se já não somos os mesmos.
Aprendemos, à custa de dor, mas aprendemos.
Não cometeremos duas vezes os mesmos erros,
não beberemos a mesma água.
Durante anos vivemos como se não tivéssemos
outras alternativas.
A vida é assim... é o destino.
Mas nosso destino, nós fazemos.
Nossas prioridades, escolhemos
e aprendemos a viver com elas.
E só depois, mais tarde,
é que nos questionamos sobre o fundamento
das nossas escolhas.
Há pessoas que acham que é tarde demais para
mudar e continuam na mesma linha,
mesmo se conscientes de que talvez esse não
tenha sido o melhor caminho.
Homens e mulheres que se mataram
a vida toda para ganhar dinheiro,
terminam muitas vezes a vida sozinhos,
cheios de dinheiro, vazios de amor.
E felizes há aqueles que descobrem que
ainda é tempo para fazer alguma coisa.
E que podem redefinir as próprias prioridades
e assumi-las.
Vai doer, mas vai valer a pena,
porque no fim das contas
vamos ter a consciência tranqüila de que tentamos.
Um dos piores sentimentos que existem
é o de não poder recapturar um momento que
gostaríamos que tivesse sido diferente.
O eu de hoje não teria feito isso ou aquilo,
mas o que eu era ontem não sabia o que sei agora.
Se soubesse, teria cometido menos erros.
Mas temos um Deus tão bom e tão grande
que Ele está sempre nos oferecendo a oportunidade
de nos redimir e fazer novas escolhas.
E agora? Agora sabemos.
Não vamos pegar atalhos.
Eles podem ser atraentes, mas nos impedirão
talvez de aproveitar as belezas da jornada.
O caminho da vida é bonito, apesar de ser
mais difícil para uns que para outros.
Mas é bonito se sabemos tirar o máximo do que é bom.
Noites escuras podem nos fazer ver mais
claramente as estrelas.
Só veremos o nascer do sol se acordarmos cedo.
Coisas simples que a natureza nos ensina.
Reciclagem de vida?
Talvez sim.
Talvez sejamos, no fim das contas,
uma colcha de retalhos da vida.
Mas que sejamos então
uma bela colcha nova enfeitando um quarto,
um coração,
talvez mesmo muitos corações e muitas vidas,
a começar por nós mesmos
(Letícia Thompson)




Ao clicarem nas imagens serão direcionados aos sites de onde foram retiradas.