segunda-feira, 12 de abril de 2010

Eu e minhas crises...


Tô com crise em saudade.
E quando estou em crise fico pensando na vida,
e quando fico pensando na vida perco o sono,
e quando perco o sono escrevo,
e quando escrevo um novo post é publicado.
Tô um pouco assustada!
Tá tudo acontecendo de uma maneira que jamais pensei que fosse acontecer, de um jeito muito legal (mas muito rápido).
A cada dia que passa percebo que estou mais envolvida com ele, a cada encontro noto que gosto mais dele, a cada ausência sua sinto a dor da saudade...
Cada toque, cada beijo, cada sorriso, cada palavra, cada abraço tudo é motivo de alegria, tudo me faz sonhar acordada, tudo me faz sentir uma mulher querida, desejada, tudo é uma lembrança boa e feliz para os momentos de sua ausência (que me deixam tão ansiosa pelo momento de vê-lo outra vez).
“Tua presença me faz
Me sentir bem demais
Que coisa linda
Tua boca me dá
Vontade de te beijar
..."
Alguém já disse: 'O amor é lindo', eu concordo, mas também é contraditório, porque na ausência de quem amamos a dor da saudade aperta o peito e não deveríamos sentir essa dor e sim a felicidade da certeza do próximo encontro, mas essa felicidade normalmente acontece quando o encontro está próximo ou acontecendo, porque mesmo com as boas lembranças dos momentos vividos existe a hora da 'despedida', do até logo, que quando chega aperta o peito e com o passar dos dias o aperto se torna maior, a ansiedade toma conta e a felicidade só chega de fato com o beijo e o abraço tão esperados e desejados (tenho que encontrar uma maneira de parar o tempo quando estou com ele).
“...
O que é que eu faço com essa falta que você me faz?
A hora nesse quarto parece andar pra trás
Mas quando estou com você
O tempo voa.
...”
Estava lembrando que uma das primeiras vezes que o vi (não sei se foi a 1ª) foi em novembro, na sala de aula, sentado uma fileira atrás da que eu estava sentada com com duas amigas, umas 3 cadeiras a direita; sério, compenetrado, lembro que seus olhos verdes, seus lindos olhos verdes e chamaram minha atenção. Só nos falamos de fato em janeiro e isso porque Mônica e eu íamos fazer um concurso fora do Estado e ele também ia, Mônica fez amizade com ele e no fim das contas ele terminou viajando com a gente; foi então que tudo começou.
Lembro que antes da viagem nos falamos pouquíssimas vezes, se eu não estiver enganada umas três vezes, e só porque Mônica sempre falava com ele, lembro também que eu sempre olhava para ele e nunca entendi o porquê desse “magnetismo”, é bem verdade que adoro seus olhos verdes, que ele tem uma boca linda e um sorriso encantador (ainda mais quando mostra o aparelho), mas ele fuma e de uma maneira geral não tenho o costume de me aproximar de pessoas que fumam, mas...
“...
Pode ser
Milagres acontecem por ai
Deve ser um deles você existir
É tão bom
A vida como está
Lugar melhor não há
...”
Tento não pensar no amanhã e viver o hoje, o agora; viver a alegria de ter alguém tão especial ao meu lado, viver a alegria de ter esse sentimento tão maravilhoso em mim e que cresce a cada dia, a cada telefonema, a cada encontro, viver a plenitude desse sentimento e dos momentos em que estamos juntos; viver a alegria de me sentir como estou me sentindo: uma mulher em sua plenitude!
Cecília Campello
(11-04-2010)

Se perguntar o que é o amor pra mim
Não sei responder
Não sei explicar
Mas sei que o amor nasceu dentro de mim
Me fez renascer
Me fez despertar
Me disseram uma vez
Que o danado do amor
Pode ser fatal
Dor sem ter remédio pra curar
Me disseram também
Que o amor faz bem
E que vence o mal
E até hoje ninguém conseguiu definir
O que é o amor
Quando a gente ama, brilha mais que o sol
É muita luz
É emoção
O amor
Quando a gente ama, é um clarão do luar
Que vem abençoar
O nosso amor






7 comentários:

Jacinta Dantas disse...

Pois é Cecília,
o Amor, como a vida, para mim é dicotomia entre dor e prazer. Na presença, a onda de felicidade toma conta do nosso Ser... na ausência, indícios de perda deixa o Ser se desequelíbra e, inseguro, sofre a dor da distância do outro.
Dicotômico né?
Abração

Ah! estou adicionando vc na minha lista de blogs. Pode ser?

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Ceci, Cecília...
Minha amiga, você está desesperadamente, irremediavelmente, apaixonada!!!
Ele fuma? Às favas!!! Minha geração toda fumava, um dia a gente pára, ou não, mas amor é difícil de encontrar, então, viva-o em sua plenitude!
beijos cheinhos de corações

Alexandre Fernandes disse...

O amor tem um universo tão vasto que é impossível ser medido. E nisso é difícil mesmo lidar com sua profundidade. Com as sensações que ele implica dentro de nós.

A tendência é que fiquemos felizes mesmo com esse sentimento. Coisa boa pra se ter.

Fica até complicado eu te dizer, "se controla, tenta equilibrar", mas sei o quanto é duro isso. A saudade aperta tanto que quase causa dor.

Mas deixa que essa euforia acalma e o amor fica pleno, calmo e intensamente mais maduro.

Tudo dê certo pra vocês.

Beijos Ceci.

Jens disse...

Viva intensamente o fogo da paixão, Cecília. Deixe o barco correr.

Beijo e felicidade pra você.

Soninha disse...

Olá, Cecilia!

Amar é tão bom!
Viva este momento lindo, sem medo de ser feliz!
Amando agora e construindo um futuro super legal! É bom demais!
Boa sorte para você. Desejo que seja muito feliz!
Muita paz! Beijosssssssssss

Eurico disse...

Parabéns, amiga. Vc merece!!!

Abraço fraterno

Mauri Boffil disse...

Bemvindo ao clube
tb to em crises de saudades