segunda-feira, 28 de março de 2011

Autismo



“... O autismo, embora possa ser visto como uma condição médica, também deve ser encarado como um modo de ser completo, uma forma de identidade profundamente diferente ...”
(OLIVER SACKS)
Fonte

O Autismo é um distúrbio do desenvolvimento humano que vem sendo estudado pela ciência há seis décadas, mas sobre o qual ainda permanecem, dentro do próprio âmbito da ciência, divergências e grandes questões por responder.
Há 20 anos, quando surgiu a primeira associação para o Autismo no país, o Autismo era conhecido por um grupo muito pequeno de pessoas, entre elas poucos médicos, alguns profissionais da área de saúde e alguns pais que haviam sido surpreendidos com o diagnóstico de Autismo para seus filhos.
Atualmente, embora o Autismo seja bem mais conhecido, tendo inclusive sido tema de vários filmes de sucesso, ele ainda surpreende pela diversidade de características que pode apresentar e pelo fato de, na maioria das vezes, a criança autista ter uma aparência totalmente normal.
O Autismo é uma síndrome definida por alterações presentes desde idades muito precoces, tipicamente antes dos três anos de idade, e que se caracteriza sempre por desvios qualitativos na comunicação, na interação social e no usa da imaginalção.
É comum pais relatarem que a criança passou por um período de normalidade anteriormente à manifestação dos sintomas.
Quando as crianças com autismo crescem, desenvolvem sua habilidade social em extensão variada. Alguns permanecem indiferentes, não entendendo muito bem o que se passa na vida social. Elas se comportam como se as outras pessoas não existissem, olham através de você como se você não estivesse lá e não reagem a alguém que fale com elas ou as chame pelo nome.
Freqüentemente suas faces mostram muito pouco de suas emoções, exceto se estiverem muito bravas ou agitadas. São indiferentes ou têm medo de seus colegas e usam as pessoas como utensílios para obter alguma coisa que queiram.
Pessoas com esse distúrbio possuem dificuldades qualitativas na comunicação, interação social, e a imaginação (a chamada tríade), e consequentemente apresentam problemas comportamentais.
Muita vezes o simples fato de querer ir ao banheiro e não conseguir comunicar a ninguém pode ocasionar problemas como auto-agressão ou agressão aos outros.
Fonte

Diagnóstico
Os sistemas diagnósticos (DSM-IV e CID-10) têm baseado seus critérios em problemas apresentados em três áreas, com início antes dos três anos de idade, que são:
a) comprometimento na interação social,
b) comprometimento na comunicação verbal e não-verbal, e no brinquedo imaginativo,
c) comportamento e interesses restritos e repetitivos. 

É relevante salientar que essas informações devem ser utilizadas apenas como referência.

Recomenda-se caracterizar a queixa da família: sinais, sintomas, comportamento, nível de desenvolvimento cognitivo e escolar do indivíduo - quando for o caso, relacionamento inter-pessoal, investigar os antecedentes gineco-obstétricos, história médica pregressa, história familiar de doenças neurológicas, psiquiátricas ou genéticas, analisar os critérios do DSM-IV-TR ou da CID-10, realizar avaliações complementares (investigações bioquímicas, genéticas, neurológicas, psicológicas, pedagógicas, fonoaudiológicas, fisioterápicas), pensar a respeito do diagnóstico diferencial, investigar a presença de co-morbidades, classificar o transtorno, planejar e efetivar o tratamento.


Condições que podem estar associadas ao autismo:
Acessos de raiva
Agitação
Agressividade
Auto-agressão, auto-lesão (bater a cabeça, morder os dedos, as mãos ou os pulsos)
Ausência de medo em resposta a perigos reais
Catatonia
Complicações pré, peri e pós-natais
Comportamentos autodestrutivos
Déficits de atenção
Déficits auditivos
Déficits na percepção e controle motor
Déficits visuais
Epilepsia (Síndrome de West)
Esquizofrenia
Hidrocefalia
Hiperatividade
Impulsividade
Irritabilidade
Macrocefalia
Microcefalia
Mutismo seletivo
Paralisia cerebral
Respostas alteradas a estímulos sensoriais (alto limiar doloroso, hipersensibilidade aos sons ou ao toque, reações exageradas à luz ou a odores, fascinação com certos estímulos)
Retardo mental
Temor excessivo em resposta a objetos inofensivos
Transtornos de alimentação (limitação a comer poucos alimentos)
Transtornos de ansiedade
Transtornos de linguagem
Transtorno de movimento estereotipado
Transtornos de tique
Transtornos do humor/ afetivos (risadinhas ou choro imotivados, uma aparente ausência de reação emocional)
Transtornos do sono (despertares noturnos com balanço do corpo)



Tratamento e prognóstico
A gravidade do autismo oscila bastante, porque as causas, não sendo as mesmas, podem produzir significativas diferenças individuais no quadro clínico. Desta forma, o tratamento e o prognóstico variam de caso a caso.

Os indivíduos com autismo têm uma expectativa de longevidade normal.
O transtorno autista é permanente, até o presente momento, não tem cura.
O diagnóstico precoce do autismo permite a indicação antecipada de tratamento.
Um tratamento adequado é baseado na consideração das co-morbidades para a realização de atendimento apropriado em função das características particulares do indivíduo.

A terapêutica pressupõe uma equipe multi- e interdisciplinar – tratamento médico (pediatria, neurologia, psiquiatria e odontologia) e tratamento não-médico (psicologia, fonoaudiologia, pedagogia, terapia ocupacional, fisioterapia e orientação familiar), profissionalizante e inclusão social, uma vez que a intervenção apropriada resulta em considerável melhora no prognóstico.

A base da terapêutica presume o envolvimento da família.
A farmacoterapia continua sendo componente importante em um programa de tratamento, porém nem todos indivíduos necessitarão utilizar medicamento.
Não existe medicação e nem tratamento específicos para o transtorno autista.
O sucesso do tratamento depende exclusivamente do empenho e qualificação dos profissionais que se dedicam ao atendimento destes indivíduos.

“Eu construí uma ponte
Além de nenhum lugar, através do nada
E queria que existisse algo no outro lado
Eu construí uma ponte
Além da neblina, através da escuridão
E desejei que estivesse luz no outro lado.
Eu construí uma ponte
Além do desespero, através da desconsideração
E sabia que poderia ter esperança no outro lado.
Eu construí uma ponte
Além da falta de ajuda, através do caos
E acreditei que poderia existir força do outro lado.
Eu construí uma ponte
Além do inferno, através do terror
E era uma boa, forte e bonita ponte.
E era uma ponte que eu construí
Com apenas minhas mão por ferramentas
Minha obstinação como suporte
Minha fé como medida e meu sangue como pregos.
Eu construí uma ponte
E a atravessei, mas não havia ninguém
Para me encontrar do outro lado”.
Fonte


Por que resolvi postar sobre o autismo?
Não sei! Não faço a menor ideia...
Simplesmente resolvi pesquisar e colocar algumas coisas que encontrei. Não conheço ninguém que seja autista, mas é algo que sempre me inspirou muita curiosidade. Sempre que penso no assunto, penso em uma criança solitária no canto da sala...


Mais aqui


imagens colhidas da internet


sexta-feira, 25 de março de 2011

Ela e Eu

Não sei se é verdade ou mito, mas sinto que ela interfere no meu comportamento, no meu humor...
É como se eu me transformasse como ela, mudasse de fases quando ela muda.
Tem horas que tenho vontade de gritar, correr
Outras de ficar quieta sozinha no meu canto (lendo, ouvindo música ou fazendo nada)
Há momentos que me sinto super feliz, extasiada, animada (sem motivo aparente)
Outras vezes me sinto triste, um pouco deprimida (também sem motivo aparente)
E o que me deixa mais inquieta (e chateia) é saber que não estou de TPM
As vezes me sinto forte, cheia de disposição
Outras vezes fraca, com vontade de fazer nada...
E hoje?
Hoje com com vontade de fazer nada!


Sinto que sou como a lua
Inteira ou pela metade
Engordo, emagreço
Hora me escondo
Hora me mostro
Despida de vontade
Vestida de sensualidade
Menina, mulher
Mulher, menina
Fases, momentos, instantes
Sou encanto
Meus olhos refletem minha essência
Como a água a luz da lua
Sou vida, sentimentos
Desejos, vontades...
(Cecília Campello – 25/03/11)





LUA ADVERSA
(Cecília Meireles)


Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida, 
fases de vir para a rua... 
Perdição da minha vida! 
Perdição da vida minha! 
Tenho fases de ser tua, 
tenho outras de ser sozinha


Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário 
inventou para meu uso.


E roda a melancolia
seu interminável fuso! 
Não me encontro com ninguém 
(tenho fases, como a lua...) 
No dia de alguém ser meu 
não é dia de eu ser sua... 
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...


 
Imagem da internet (fases da lua)





 Ótimo final de semana a todos! 
ツ Beijinhos... 







segunda-feira, 21 de março de 2011

Respeito e cidadania passe adiante!


Um dia fui convidada a participar de uma postagem coletiva sobre ‘inclusão social’. Na época em que escrevo post lembrei do sobre meu tio que teve paralisia infantil e não tinha os movimentos das pernas mas nem por isso ele se abateu e foi um vencedor (excelente pai, teve quatro filhos, ótimo profissional e um tio admirado); lembrei do filho de um primo que é cadeirante, nasceu com um problema físico e mental, mas é um menino lindo (de verdade, sou encantada por ele), tem uma personalidade forte, pratica esportes e gosta muito de futebol (é rubro-negro pra coroar); lembrei da cunhada de minha tia que por causa de um erro médico durante uma cirurgia ficou com idade mental de 6 anos, ela gosta muito de música, faz colares e pulseiras para vender e estuda.
Lembro que ao longo da minha vida cruzei com essas pessoas especiais, e digo especiais não é pelo fato de serem ‘diferentes’ por terem deficiência, falo especiais porque são especiais mesmo! Sempre têm muita coisa para ensinar e o melhor de tudo é que não sabem nem que estão nos dando verdadeiras lições de vida, superação, força, amor pela vida... conheci cegos, mudos, cadeirantes, down’s... Lembro que tinha medo de pessoas que tinham síndrome de down por causa de um menino que tinha numa escola que estudei, ele às vezes tinha crises e ficava agressivo, demorei a perceber que a maioria deles é sensível e doce e a agressividade acontece por causa de crises, aliás, tem um menino aqui na rua que uma graça, super educado sempre que passa por a gente dá bom dia, boa tarde...
Resolvi escrever isso não sei por quê, acredito que um dos motivos é o fato de ter conhecido Zenaide em um curso.  Ela é cadeirante, não nasceu assim, mas por causa de um acidente de carro provocado por um filhinho de papai bêbado. Zen, como muitos a chamam, é uma mulher super alto astral, neste tempo que a conheço não lembro de tê-la visto reclamar da vida ou de baixo astral, pelo contrário, está sempre com um sorriso no rosto e os obstáculos ela usa como degrau para subir na escada da vida, adora uma farrinha e pode ter certeza, sair com ela é diversão na certa, garantia de muitas risadas! Ela é dona de uma personalidade forte, inteligente, batalhadora... Uma pessoa que aprendi a admirar!
Ou talvez tenha resolvido escrever isso por ter visto, no facebook, uma foto de trânsito de estacionamento privativo para cadeirantes que dizia: Essa vaga não é sua nem por um minuto!! Estamos fazendo essa campanha porque existem pessoas que não respeitam a sinalização. Que por sinal compartilhei no meu perfil. 

Respeito às vagas para cadeirantes é mais do que educação, além de ser uma obrigação é uma questão de respeito ao próximo e de cidadania! Aliás não são só as vagas de estacionamento que não respeitadas, os caixas de supermercado reservados para idosos, lactantes, grávidas que estou cansada de ver jovens, adolescentes nas filas destes caixas; as vagas dos ônibus reservadas aos idosos, gestantes e deficientes que pessoas na grávidas, não idosas ou não deficientes ocupam e permanecem sentados mesmo que uma dessas pessoas entrem no ônibus. Mas o desrespeito, falta de educação, falta de cidadania não estão só aí, estão nas dificuldades causadas pelas pessoas ao trânsito dos idosos e dos deficientes quando ficam na frente, empurram, jogam lixo nas ruas, ou quando o taxista não para o carro ou até mesmo o motorista do ônibus ao ‘queimar a parada’...




Inclusão social é uma ação que combate a exclusão social geralmente ligada a pessoas de classe social, nível educacional, portadoras de deficiência física, idosas ou minorias raciais entre outras que não têm acesso a várias oportunidades. Inclusão Social é oferecer aos mais necessitados oportunidades de participarem da distribuição de renda do País, dentro de um sistema que beneficie a todos e não somente uma camada da sociedade.”
Quando estava pesquisando fotos para o post encontrei um blogue interessante sobre inclusão social.
Fotos retiradas da internet.




Beijinhos!!!
ÓTIMA SEMANA A TODOS!!!







quarta-feira, 16 de março de 2011

Seguindo conselhos de uma amiga amada:

Escrever

Escrever é deixar aflorar sentidos, pensamentos
É libertar-se de medos, anseios, tristezas
É dividir alegrias, sonhos, experiências

Escrever é viajar de volta a lugares conhecidos
É contar histórias vividas
É lembrar-se de cheiros, sentimentos e paisagens
É recordar momentos

Escrever é passear por lugares ainda não idos
É viajar nas asas da imaginação
É deixar fluir sonhos, planos e aventuras que se deseja viver

Escrever é querer perpetuar o amor sentido, a felicidade vivida
É expulsar o sofrimento, a decepção a tristeza
É compartilhar o aprendizado e as experiências
É crescer e evoluir a cada letra, a cada palavra deixada no papel

Escrever é evoluir
É desconhecer a passagem do tempo
É soltar-se das amarras
É ganhar o mundo...
(Cecília Campello – 15/03/11)



Por que escrevo?

Escrevo porque gosto!
Me sinto livre quando estou com caneta e papel à mão.
Fico feliz quando vejo as letras se desenharem no papel; ver meus pensamentos, sonhos, desejos, anseios, sentimentos tomarem forma me satisfaz.
Não sou escritora, tampouco poetisa. Não tenho grandes pretensões, quero apenas satisfazer meu espírito, minhas vontades; me libertar de medos, dores inquietações; gritar e multiplicar meu amor, minhas alegrias, conquistas, experiências, aprendizados...
Por isso quando estou triste escrevo e quando estou feliz escrevo ainda mais, quando estou amando fico inspirada. Escrevo ao amado, à amiga, aos amigos; escrevo para quem conheço e para quem não conheço também; escrevo para que me conheçam. Ou simplesmente escrevo...
"O meticuloso exercício da escrita pode ser a nossa salvação."
Isabel Allende






terça-feira, 8 de março de 2011

Um dia especial

Como todos sabem sou audaciosa e como hoje é um dia muito especial minha audácia (e inspiração) parece que aflorou... não sou muito boa com as letras, mas tentei fazer uma (singela) homenagem a uma amiga muito querida, especial e amada, a Beti Timm.


Hoje é um dia especial
e quero falar da minha
Felicidade de ter
Encontrado uma amiga assim
Linda, sensível, vencedora, amável
Inteligente, talentosa, lutadora, livre
Zelosa, forte e que hoje faz
Aniversário
Neste dia especial quero dizer quão
Importante é sua amizade
Vidas se cruzam durante nossa jornada
Emoções compartilhadas, choros e
Risos, conselhos... Uma amizade
Sincera e forte, que conforta,
Acalenta e não tem preço
Rimas, versos, nada pode expressar o que sinto...
Impossível não falar do
Orgulho que tenho de ter você em minha vida
Beti: mãe, amiga, artista de talento. Uma mulher
Encantadora e apaixonada pela vida!
Te desejo hoje e sempre
Infinitas felicidades!!!

Amo-te!!!
Que Deus cobra de bênçãos sua vida!



Imagens google

segunda-feira, 7 de março de 2011

Às Mulheres













FELIZ DIA DA MULHER!!!
(sei que só é amanhã, mas precisei antecipar esta homenagem às mulheres)


Teus braços
Fortes braços
Num longo abraço
A me envolver
Teus lábios
Doces lábios
Fonte de beijos
Muitos beijos, pra me aquecer
Quanta coisa emana de ti, doce criatura
Amor...carinho...ternura
Tudo que me liga a teu ser, mulher
Tia...mãe...avó...
Irmã...neta...filha...
Guerreira...companheira...
Tu que me namoras, me compreendes
Que me incentivas, me repreendes
E jamais me deixas só.
Tu que és dar e receber,
Que com a mesma humildade
Sabes perdoar e esquecer.
Santa ou pecadora
Ingênua ou sedutora
Não importa! Serás sempre uma rainha
Uma intercessora...uma fada madrinha...
Aquela que na minha aflição, chamo
Laura...Priscila...Mary...Maria José...
A todas, admiro e amo
Santas criaturas
Anjos de candura
Simplesmente mulher!



 Uma mulher (do latim mulier) é um ser humano adulto do sexo feminino. Na infância, normalmente é denominada em português como menina e na adolescência como moça ou rapariga (este último termo, de conotação pejorativa no Brasil). O termo mulher é usado para indicar tanto distinções sexuais biológicas quanto distinções nos papéis sócio-culturais.

 O símbolo de Vénus, também referido para o gênero feminino, remete à deusa Vénus, deusa do amor e da beleza na mitologia romana, equivalente à Afrodite na mitologia grega. É uma representação simbólica do espelho na mão da deusa Vénus ou um símbolo abstrato para esta deusa: um círculo com uma pequena cruz eqüilateral embaixo (Unicode). O símbolo de Vénus também representa a feminilidade e na antiga alquimia representava o Cobre. Os alquimistas compunham o símbolo com um círculo, representativo do espírito sobre uma cruz eqüilateral, que representa a matéria.


Imagens google








terça-feira, 1 de março de 2011

ჱܓჱܓ

Um dos melhores textos que já li sobre o assunto!


Pedido de uma criança a seus pais
  Não tenham medo de serem firmes comigo. Prefiro assim.  Isto faz com que eu me sinta mais segura.
Não me estraguem. Sei que não devo ter tudo o que peço. Só estou experimentando vocês.
Não deixem que eu adquira maus hábitos. Dependo de vocês para saber o que é certo, o que é errado.
Não me corrijam com raiva, nem na presença de estranhos. Aprenderei muito mais se me falarem com calma e em particular.

Não me protejam das conseqüências de meus erros. Às vezes eu preciso aprender pelo caminho áspero.
Não levem muito a sério as minhas pequenas dores. Necessito delas para poder amadurecer.

Não sejam irritantes ao me corrigirem.
Se assim o fizerem, eu poderei fazer o contrário do que me pedem.
Não me façam promessas que não poderão cumprir depois. Lembrem-se de que isto me deixa profundamente desapontada.
Não ponham à prova a minha honestidade.
Sou facilmente levada a dizer mentiras.

Não me apresentem um Deus carrancudo e vingativo. Isto me afastaria d'Ele.

Não desconversem quando faço perguntas, senão serei levado a procurar as respostas na rua todas as vezes que não as tiver em casa.
Não se mostrem para mim como pessoas infalíveis. Ficarei extremamente chocada quando descobrir um erro de vocês.
Não digam simplesmente que meus receios e medos são bobos. Ajudem-me a compreendê-los e vencê-los.
Não digam que não conseguem me controlar.
Eu me julgarei mais forte que vocês.
Não me tratem como uma pessoa sem personalidade. Lembrem-se de que eu tenho o meu próprio modo de ser.
Não vivam me apontando os defeitos das pessoas que me cercam. Isto irá criar em mim, mais cedo ou mais tarde, o espírito de intolerância.
Não se esqueçam de que eu gosto de experimentar as coisas por mim mesma. Não queiram ensinar tudo pra mim.
Não tenham vergonha de dizer que me amam. Eu necessito desse carinho e amor para poder transmiti-lo à vocês e aos outros.
Não desistam nunca de me ensinarem o bem, mesmo quando eu parecer não estar aprendendo.  
Insistam através do exemplo e, no futuro, vocês verão em mim, o fruto daquilo que plantaram. 







(Desconheço a Autoria)
Imagens do google



ړײ  Volto depois do carnaval! ړײ 
Ilustrações de Emerson Fialho (talentoso ilustrador pernambucano)